Apoiando a função hepática com nutrição

 

No mundo moderno, todos estão expostos a uma mistura de compostos químicos diariamente, bem como a muitos alimentos e nutrientes que podem regular positivamente os processos naturais do corpo de eliminar esses tóxicos. Uma via de desintoxicação sobrecarregada pode levar a padrões clínicos, como disfunção imunológica ou desregulação endócrina, que indicam potencial exposição tóxica. Alimentos e nutrientes que apóiam a biotransformação do fígado podem ajudar a aliviar a carga tóxica, permitindo que o corpo opere com mais eficiência e melhore a resiliência.


Alimentos e Fitonutrientes para Biotransformação e Eliminação

Mudanças dietéticas podem ajudar pacientes com exposição elevada a tóxicos.Alimentos que podem apoiar a biotransformação de bifenilos policlorados (PCBs), por exemplo, incluem vegetais crucíferos, bagas, soja, alho e especiarias como açafrão.3 Entre a vasta gama de fitonutrientes atualmente sendo estudados para esta finalidade, sulforafano, curcumina, quercetina e resveratrol foram relatados para estimular a expressão de enzimas endógenas de desintoxicação e podem neutralizar agentes ambientais nocivos.4

ENZIMAS DE FASE I E FASE II

Fitonutrientes em vegetais crucíferos, incluindo uma grande quantidade de glucosinolatos que são hidrolisados ​​em isotiocianatos bioativos, como o sulforafano, regulam as enzimas hepáticas, as enzimas do citocromo P450 (CYP450) de fase I e as enzimas de conjugação de fase II para aumentar as taxas de biotransformação. Os polifenóis também afetam Metabolismo do CYP450, apoiando os processos de biotransformação - particularmente do estrogênio.

Como outro exemplo, a soja e as isoflavonas de soja têm muitos efeitos sobre as enzimas CYP450.8,9 Para pacientes sem alergia, a soja está incluída no Plano Alimentar Detox. Em um estudo controlado randomizado de pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), uma dieta de baixa caloria incluindo soja resultou em melhorias significativas nas enzimas hepáticas, mesmo quando comparada com outras dietas de baixa caloria.



Ingestão dietética - o potencial para danos

Embora certos alimentos apoiem as vias naturais de desintoxicação do corpo, as exposições a substâncias tóxicas baseadas em alimentos podem contribuir para problemas de saúde. Compostos metálicos em frutos do mar, resíduos de pesticidas em frutas e vegetal, bem como alguns alimentos fritos e hormônios encontrados em muitos produtos lácteos são exemplos. Certamente, nossa dieta pode ser saudável e protetora ou ter efeitos prejudiciais em nosso bem-estar. Limitar ou eliminar certos alimentos para reduzir a ingestão total de substâncias tóxicas enquanto se consome mais frutas e vegetais ricos em nutrientes antioxidantes e anti-inflamatórios pode apoiar o fígado e promover biotransformação e eliminação eficientes.

Aplicações clínicas

Sempre que possível, reduzir a exposição a compostos tóxicos pode impactar positivamente a saúde, mas evitar toda exposição tóxica não é possível. O Plano Alimentar Detox da CRN ajuda os médicos a trabalhar com os pacientes para apoiar com segurança a biotransformação e a eliminação de compostos tóxicos e reduzir sua exposição a esses compostos por meio da dieta. Como nota de advertência, os indivíduos que tomam medicamentos prescritos devem consultar um médico, pois a inibição nutricional dessas enzimas pode alterar a duração do efeito de vários medicamentos.

O educador da CRN, Dr. Rodrigo Neves, explica que o Plano Alimentar Detox pode potencialmente beneficiar pacientes que sofrem de alta toxicidade, fadiga crônica e testes de função hepática elevados. 

Referências:

  1. Peluso M, Munnia A, Russo V, et al. Cruciferous vegetable intake and bulky DNA damage within non-smokers and former smokers in the Gen-Air Study (EPIC Cohort). 2022;14(12):2477. doi:10.3390/nu14122477
  2. Li YZ, Yang ZY, Gong TT, et al. Cruciferous vegetable consumption and multiple health outcomes: an umbrella review of 41 systematic reviews and meta-analyses of 303 observational studies. Food Funct. 2022;13(8):4247-4259. doi:1039/d1fo03094a
  3. Hodges RE, Minich DM. Modulation of metabolic detoxification pathways using foods and food-derived components: a scientific review with clinical application. J Nutr Metab. 2015;2015:760689. doi:1155/2015/760689
  4. Jackson SJ, Singletary KW, Murphy LL, Venema RC, Young AJ. Phytonutrients differentially stimulate NAD(P)H:quinone oxidoreductase, inhibit proliferation, and trigger mitotic catastrophe in hepa1c1c7 cells. J Med Food. 2016;19(1):47-53. doi:1089/jmf.2015.0079
  5. Abbaoui B, Lucas CR, Riedl KM, Clinton SK, Mortazavi A. Cruciferous vegetables, isothiocyanates and bladder cancer prevention. Mol Nutr Food Res. 2018;62(18):e1800079. doi:1002/mnfr.201800079
  6. Jiang X, Liu Y, Ma L, et al. Chemopreventive activity of sulforaphane. Drug Des Devel Ther. 2018;12:2905-2913. doi:2147/DDDT.S100534
  7. Korobkova EA. Effect of natural polyphenols on CYP metabolism: implications for diseases. Chem Res Toxicol. 2015;28(7):1359-1390. doi:1021/acs.chemrestox.5b00121
  8. Ronis MJ. Effects of soy containing diet and isoflavones on cytochrome P450 enzyme expression and activity. Drug Metab Rev. 2016;48(3):331-341. doi:1080/03602532.2016.1206562
  9. Zhou T, Meng C, He P. Soy isoflavones and their effects on xenobiotic metabolism. Curr Drug Met. 2019;20(1):46-53. doi:2174/1389200219666180427170213
  10.  Kani AH, Alavian SM, Esmaillzadeh A, Adibi P, Azadbakht L. Effects of a novel therapeutic diet on liver enzymes and coagulating factors in patients with non-alcoholic fatty liver disease: a parallel randomized trial. Nutrition. 2014;30(7-8):814-821. doi:1016/j.nut.2013.11.008
  11.  Pirkle CM, Muckle G, Lemire M. Managing mercury exposure in northern Canadian communities. CMAJ. 2016;188(14):1015-1023. doi:1503/cmaj.151138
  12.  Tengku Nur Alia TKA, Hing LS, Sim SF, Pradit S, Ahmad A, Ong MC. Comparative study of raw and cooked farmed sea bass (Lates calcarifer) in relation to metal content and its estimated human health risk. Mar Pollut Bull. 2020;153:111009. doi:1016/j.marpolbul.2020.111009
  13.  Hu Y, Chiu YH, Hauser R, Chavarro J, Sun Q. Overall and class-specific scores of pesticide residues from fruits and vegetables as a tool to rank intake of pesticide residues in United States: a validation study. Environ Int. 2016;92-93:294-300. doi:1016/j.envint.2016.04.028
  14.  Duan L, An X, Pan X, et al. Residual levels of five pesticides in peanut oil processing and chips frying. J Sci Food Agric. 2022;102(6):2494-2499. doi:1002/jsfa.11590
  15.  Malekinejad H, Rezabakhsh A. Hormones in dairy foods and their impact on public health – a narrative review article. Iran J Public Health. 2015;44(6):742-758.
  16.  Wilkinson GR. The effects of diet, aging and disease-states on presystemic elimination and oral drug bioavailability in humans. Adv Drug Deliv Rev. 1997;27(2-3):129-159. doi:1016/s0169-409x(97)00040-9
  17.  Schott S, Minich D. Challenging case in clinical practice: implementation of a functional medicine detox food plan results in lower levels of alanine transaminase enzymes and resolves chronic gastrointestinal symptoms related to gastro-esophageal reflux disease. Altern Complement Ther. 2018;24(4). doi:1089/act.2018.29172.ssc

		
Rodrigo Neves

Rodrigo Neves

Médico Nutrólogo, especializado em nutrologia e medicina de estilo de vida.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − três =

Um objetivo sem um plano é apenas um desejo.

te ajudo a alcançar suas metas de forma saudável.

Categorias: